×
Utilize aspas para busca exata.

Política de Cookies

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

fechar

Política de Privacidade

fechar

Política de Uso de Dados

fechar

Notícias

Abrir Filtros

Acib, Fiesc e Sesi/Senai debatem a importância da educação técnica

Acib, Fiesc e Sesi/Senai debatem a importância da educação técnica

Segundo dados do MEC, o Brasil tem apenas 11% das matrículas do ensino médio em educação técnica. Com o intuito de debater sobre a importância da educação técnica no Vale do Itajaí na última segunda-feira (20), representantes da Associação Empresarial de Blumenau (Acib), Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e Sesi/Senai Vale do Itajaí, se reuniram para discutir melhorias e incentivos à população sobre o tema. 

De acordo com o presidente da Acib, Renato Medeiros, atualmente as possibilidades de empregabilidade com boa remuneração são atrativas. “Precisamos unir forças para um novo projeto de cultura sobre a educação técnica para Blumenau”. Santa Catarina possui PIB industrial de R$ 66,3 bilhões, equivalente a 5,0% da indústria nacional. Hoje, o estado emprega mais de 2 milhões de empregados, destes, mais de 800 mil são da indústria. 


De acordo com Silvia De Pieri, gerente executiva do SesiI/Senai Vale do Itajaí, atualmente, a região conta com cerca de 230 mil colaboradores na área industrial. “Atualmente a Fiesc conta com mais de 50 mil indústrias no estado e de acordo com o relatório anual da entidade, em 2020 o Senai SC teve mais de 29 mil matrículas de educação profissional, juntando cursos técnicos e aprendizagem industrial”. 


Pesquisa de demandas industriais

Recentemente a Fiesc realizou uma pesquisa sobre o mercado industrial. A pesquisa aponta que os principais pontos de reclamação das empresas são falta de mão de obra qualificada, baixa escolaridade, competências comportamentais, jovens desinteressados, falta de liderança, saúde mental e sucessão. 


“Após estudos, estamos realizando algumas atividades. Buscamos ouvir as empresas, o que elas realmente precisam, e com isso, oferecemos em parceria com a empresa, qualificação dos funcionários. Além disso, em parceria com as prefeituras, realizamos em contraturno dos adolescentes, cursos de iniciação profissional. Além de Educação Maker, cursos de qualificação de curto, médio e longo prazo e EJA”, comentou Silvia.  


O profissional do futuro

De acordo com Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar (PNAD), com base na projeção populacional do IBGE, o Brasil tem 21,5% da população de 16 a 29 anos que só estuda; 11,9% estuda e ao mesmo tempo trabalha; 40,7% só trabalha e 25,8% não estuda e não trabalha. Em Santa Catarina, 15,7% só estuda; 17,2% estuda e trabalha; 50,4% só trabalha e 18,7% não estuda e não trabalha. 

“Lamentavelmente, os jovens não têm interesse em se qualificar e essa pesquisa é a prova disso. Precisamos despertar a vontade e o interesse deles no que se relaciona ao estudo e isso precisa ser desde a base, ou seja, com as crianças”, comentou o vice-presidente da Fiesc para o Vale do Itajaí, Ulrich Kuhn


Carreiras dos próximos anos

De acordo com pesquisa do Senai, as carreiras que estão crescendo e que serão tendências nos próximos anos são: condutores de processos robotizados; técnicos em mecânica veicular; engenharias ambientais e afins; pesquisadores de engenharia e tecnologia; profissionais de planejamento, programação e controles lógicos; montadores de sistemas e estruturas de aeronaves; engenheiros agrimensores e engenheiros cartógrafos; gerentes de operação de serviços em empresas de transporte de comunicação e de logística (armazenagem e distribuição); engenheiros de alimentos e afins; instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados. 

Compartilhe: